meia lua na sombra

Como tiro fotografias | Fotografar a lua

Peter Neill

Devido ao confinamento, não pude ir a lado nenhum. No entanto, ainda consegui fotografar algo que estava muito longe de mim, graças à minha Sony Alpha 7R IV, e isso fascinou-me como fotógrafo. Sempre quis fotografar a lua, mas isso tornou-se um projeto ainda mais apelativo nesta altura, para conseguir fugir à realidade do confinamento.

imagem clara de uma lua cheia

© Peter Neill | Sony α7R IV + FE 400mm f/2.8 GM OSS | 1/2000s @ f/3.2, ISO 160

Câmaras e lentes
A câmara que utilizo para fotografar a lua é a Sony Alpha 7R IV. Também tive a sorte de conseguir uma lente FE 400mm f/2.8 G Master emprestada. No entanto, descobri que uma distância focal de 200mm na incrivelmente nítida lente FE 70-200mm f/2.8 G Master é mais do que suficiente. É uma lente de qualidade que permitirá obter imagens incríveis.

Fotografei algumas das minhas imagens favoritas com esta lente e é a que normalmente utilizo para fotografar os músicos nos concertos. E fotografar a lua mostra como a lente é versátil. Com uma distância focal de 200mm, também pode acrescentar facilmente contexto à fotografia.

lua cheia rodeada por nuvens

© Peter Neill | Sony α7R IV + FE 70-200mm f/2.8 GM OSS | 1/6400s @ f/3.5, ISO 320

Mantê-la nítida e estável
O primeiro equipamento essencial é um tripé. Não tem de ser o tripé mais caro, mas deve ser robusto, de preferência pesado e com uma ponta sólida que não se mova depois de apertada. A maioria dos tripés tem um gancho que permite fixar um peso com uma mala para câmara, o que é ideal. No entanto, temos de nos certificar de que a mala está a tocar ligeiramente o chão, uma vez que não queremos que saia do gancho durante a exposição.

Em última análise, é quase impossível obter uma nitidez completa devido à atmosfera entre a Terra e a lua. No entanto, há algumas coisas básicas que podemos fazer para conseguir uma imagem detalhada.

Se, por exemplo, a lente possuir um para-sol, devemos utilizá-lo. Pode ajudar a bloquear qualquer luz difusa que entre na lente de ângulos indesejáveis. Fotografei esta imagem de uma área urbana no sudoeste de Londres com um para-sol, logo nem sempre é necessária uma área com céu escuro para fotografar, embora, naturalmente, isso ajudasse.

imagem de uma lua cheia com um céu escuro

© Peter Neill | Sony α7R IV + FE 70-200mm f/2.8 GM OSS | 1/1000s @ f/4.0, ISO 125

Quando tocamos na câmara para tirar uma fotografia, estamos também a movê-la ligeiramente, por isso devemos familiarizar-nos com a utilização do temporizador automático. Ao utilizar o temporizador automático, é possível ativar o obturador e dar à câmara alguns segundos para repousar antes da exposição. Também é possível utilizar um ativador Bluetooth ou a aplicação Imaging Edge Mobile da Sony para acionar a câmara remotamente. Caso esteja disponível na câmara, também podemos experimentar o modo de obturador eletrónico, pois isto reduzirá até o mais pequeno movimento do obturador mecânico, de forma a manter a câmara perfeitamente imóvel durante a exposição.

Para focar, utilizo sempre a focagem manual. Utilizo frequentemente a aplicação Imaging Edge Mobile para verificar a focagem com maior precisão no grande ecrã do meu telemóvel. Podemos até utilizar o visor eletrónico ou o ecrã traseiro da câmara. Desta forma, tiramos partido da opção de ampliação da focagem para alcançar com precisão a parte da imagem que pretendemos focar.

Exposição
Com a lua no centro da fotograma, utilizo a medição pontual ponderada ao centro. Fotografo sempre imagens cruas e avalio a exposição com base na possibilidade de ficar com espaço suficiente para aumentar as sombras, de forma a tornar as nuvens mais visíveis. Ao experimentar, descobrimos se devemos expor apenas a lua, ou se devemos sobre-expor ligeiramente a lua para termos uma hipótese melhor com as nuvens.

É muito tentador fotografar com a maior abertura de lente e deixar passar o máximo de luz possível. No entanto, esta abertura não é a melhor. Temos de encontrar o ponto mais nítido da nossa lente. Isso pode significar fotografar a f/4 ou f/5.6 – devemos experimentar com a lente durante a fotografia e descobrir onde está mais nítida.

meia lua na sombra

© Peter Neill | Sony α7R IV + FE 400mm f/2.8 GM OSS + 1.4x teleconverter | 1/1600s @ f/4.5, ISO 320

Velocidade do obturador
Relativamente à velocidade do obturador, descobri que o mínimo absoluto a que se pode fotografar é de cerca de um quinto de segundo. Mais do que isto, a lua começará a ficar desfocada. Podemos utilizar uma velocidade de obturação mais rápida do que esta, mas devemos avançar o mais lentamente possível para obter os benefícios de deixar entrar o máximo de luz possível e para manter a sensibilidade ISO tão baixa quanto possível.

Fotografar com baixa sensibilidade mantém o ruído a um nível mínimo. Contudo, mesmo com a alta resolução da Alpha 7R IV, posso aumentar confortavelmente o ISO 800 ou 1000, e o ruído não é um problema. Permite-me captar facilmente o vizinho mais próximo da Terra.

Produtos incluídos

Peter Neill

Peter Neill | UK

"Peter Neill é o fotógrafo mais sólido que encontramos até hoje. Resumidamente, deixamos de recorrer a qualquer outra pessoa. - Mark Sheehan, The Script"

Histórias relacionadas

Inscreva-se para receber a sua newsletter α Universe

Parabéns! Subscreveu a newsletter α Universe com êxito

Introduza um endereço de e-mail válido

Lamentamos! Ocorreu um erro

Parabéns! Efetuou a subscrição com êxito