orcas à superfície no mar norueguês

Luz na Escuridão

Chris Schmid

No Círculo Polar Ártico baixo, no final de novembro, a luz do dia dura menos de uma hora. O sol mal nasce no horizonte e, graças às margens vertiginosas dos fiordes que rodeiam pequenas cidades como Skjervoy, mesmo com bom tempo, há sempre a possibilidade de não se conseguirem apreciar diretamente os seus rostos.

uma orca a subir à superfície ao anoitecer © Chris Schmid | Sony α7R V + FE 70-200mm f/2.8 GM OSS II | 1/800s @ f/3.2, ISO 2500

Navegando nesta hora azul ininterrupta, Chris Schmid não se deixa abalar: "Tinha vindo ao Norte da Noruega para fotografar orcas e baleias-jubarte," explica, "e naquela época do ano a luz é espantosa. O azul delicado nas horas mais próximas do amanhecer e do anoitecer tradicionais pode transformar-se em tons de magenta e púrpura. A neve e o gelo entrelaçam estas cores, suavizando toda a paisagem e iluminando o mar. É escuro e frio, mas incrivelmente belo."

chris schmid a preparar-se para mergulhar com a sua câmara sony

Mas será o crepúsculo o momento ideal para fotografar orcas? "Nem por isso!", ri-se. "Mas, neste sítio, a esta hora, é inevitável. É para aqui que elas migram, seguindo os arenques. Por isso, se as queremos ver neste habitat, também temos de os seguir. Já fiz sessões subaquáticas muitas vezes," continua Chris, "mas esta foi a primeira vez que o fiz com orcas. E a minha especialidade habitual são os grandes felinos, pelo que é uma experiência diferente de diversas formas."

Apesar do ambiente e do tema, as técnicas fotográficas são sempre transferíveis, a começar pela aproximação: "Quando avistámos um grupo, levámos um pequeno barco semirrígido para o local onde se estavam a alimentar," explica. "Isto permitiu-nos chegar mais perto das orcas do que com o barco à vela, não só em alcance, mas também em altura. Tal como com outros animais, quando estou mais perto da água posso enquadrar uma maior parte da paisagem no fundo e dar ao objeto alguma profundidade e contexto. Se estivermos no alto do convés do navio, tudo o que vemos é água."

cauda de uma orca enquanto se prepara para mergulhar © Chris Schmid | Sony α7R V + FE 70-200mm f/2.8 GM OSS II + 1.4x Teleconverter | 1/800s @ f/4.0, ISO 1250

Então, como é que o Chris monta a sua câmara no crepúsculo do ártico? "Da mesma forma de sempre, na verdade," confessa. "A minha regra é fotografar com uma velocidade do obturador que corresponda ao dobro do inverso da distância focal. Isto é muito importante para manter as fotografias nítidas, especialmente quando se está a fotografar um objeto em movimento a partir de um barco pequeno! Por isso, por exemplo, se eu estiver a usar a FE 70-200mm f/2.8 GM OSS II da Sony, vou usar, no mínimo, uma velocidade de 1/400 segundos — provavelmente até de 1/1000 segundos. Aqui, na noite polar, isto claramente significa abrir a abertura e usar definições ISO mais elevadas."

uma orca a subir à superfície em frente a um céu rosa e escuro © Chris Schmid | Sony α7R V + FE 70-200mm f/2.8 GM OSS II | 1/1000s @ f/3.5, ISO 1250

Felizmente, usar a Alpha 7R V com a estabilização de imagem Steady-Shot Inside e com uma lente que tem Optical Steady-Shot significa que há tecnologia disponível para ajudar. "A nitidez é mais difícil de alcançar do que com menos pixels, mas com o sensor de alta resolução da Alpha 7R V isto não foi um problema. Quero extrair todo o detalhe que puder de uma exposição e, se for necessário, até cortá-la. Por isso, a nitidez é fundamental. A estabilização até me deixou captar uma imagem da aurora boreal com a câmara na mão a 0,8 segundos!"

a aurora boreal bem acima de um lago congelado © Chris Schmid | Sony α7R V + FE 20mm f/1.8 G | 0.8s @ f/1.8, ISO 6400

Assim, já sabemos que há condições desafiantes acima da água. Mas e debaixo? "Claro, é sempre mais escuro debaixo de água, mas, normalmente, temos alguma luz direta ou a possibilidade de usar o flash. No entanto, isto não acontece aqui com as orcas, por não podermos usar flash com elas. Uma vez mais, isto significa trabalhar com grande abertura e com ISOs elevados. Felizmente, estas orcas são amigáveis, pelo que podemos fotografar com lentes grande angular como a 16-35mm f/2.8 GM. Mas continuo a manter o obturador por volta dos 1/200 segundos e a confiar em ISOs como o 6400. Com uma caixa subaquática bem equilibrada, a câmara da Sony é muito estável. Se a soltarmos, não flutua, nem para cima, nem para baixo."

uma orca passa em frente da lente © Chris Schmid | Sony α7R V + FE 16-35mm f/2.8 GM | 1/250s @ f/3.5, ISO 6400
Felizmente," continua, "o desempenho ISO da Alpha 7R V é impressionante. A 6400, é muito nítida e até usei 12.800 em certas ocasiões. E quando se combina isto com os megapixels que disponibiliza, é incrível."

Focar, seja debaixo de água ou na superfície, ao crepúsculo, também poderia ter sido um problema, mas não com o sistema AF inovador da Alpha 7R V. "Há imensas dificuldades," admite Chris, "por exemplo, fotografar com pouca luz, contra um fundo com textura como o da água, vendo apenas uma barbatana na qual nos podemos focar e até o facto de as orcas serem maioritariamente pretas! Debaixo da superfície há ainda menos luz, mas, graças ao modo de Ponto flexível, não tive qualquer problema."

2 orcas a nadar graciosamente debaixo de água © Chris Schmid | Sony α7R V + FE 16-35mm f/2.8 GM | 1/200s @ f/3.5, ISO 6400
cachalote a nadar debaixo de água © Chris Schmid | Sony α7R V + FE 16-35mm f/2.8 GM | 1/250s @ f/2.8, ISO 6400

A sua viagem com as orcas e baleias-jubarte foi tão bem-sucedida que Chris planeia regressar em novembro de 2023 para liderar uma viagem. "É genuinamente marcante ver estes animais de perto no seu ambiente e, com a Alpha 7R V, não perdi um único momento. Estas baleias são curiosas e querem interagir, mas também são gentis, passando com as suas crias a apenas alguns metros de distância de onde estamos, olhando-nos nos olhos, mas tendo o cuidado de não nos tocar. Existe um enorme respeito por nós que eu adoraria que a Humanidade lhes conseguisse retribuir."

Produtos incluídos

Chris Schmid

Chris Schmid | Switzerland

“As imagens são poderosas. Uma imagem pode captar uma emoção ou despertar um sentimento.”

Histórias relacionadas

Inscreva-se para receber a sua newsletter α Universe

Parabéns! Subscreveu a newsletter α Universe com êxito

Introduza um endereço de e-mail válido

Lamentamos! Ocorreu um erro

Parabéns! Efetuou a subscrição com êxito