Coração selvagem

Kyle Meyr 

Observe o trabalho fotográfico de Kyle Meyr e vai reparar que tem algo de diferente. Nas imagens de Kyle, a paisagem é uma personagem tão importante como os atletas e os aventureiros fotografados. Desempenha um papel, seja como protagonista ou assistente, tal como o objeto.

As imagens de Kyle não são retratos comuns nem imagens de ação que poderiam ter sido captadas em qualquer lugar. São histórias de pessoas no seu próprio ambiente. Retratam um equilíbrio que Kyle resume de forma perfeita:

“Pequenas pessoas, grandes paisagens. Adoro. Não há nada melhor do que fotografar alguém a lutar contra o ambiente. A paisagem atribui caráter à pessoa que lá está, seja a escalar uma parede de gelo ou a andar de skate ao longo de uma estrada deserta. Acrescenta um desafio ao prazer de que estão à procura.”

Kyle-Meyr-Sony-alpha-9-mountain-climber-ascending-icy-cliff-face

© Kyle Meyr | Sony α9 + 70-200mm f/2.8 GM OSS | 1/200s @ f/6.3, ISO 500

Também funciona ao contrário. “Uma figura humana acrescenta personalidade à paisagem e muito mais contexto do que quando se fotografa apenas a natureza”, explica. “Enquadrar um humano acima ou abaixo da linha do horizonte acrescenta uma escala que permite ver a grandiosidade da paisagem envolvente, assim como a desolação, a sensação de vertigem ou qualquer que seja a história que está a contar. Talvez seja suposto que alguém pratique caiaque por baixo dessas montanhas e que essas montanhas estejam a proteger essa pessoa.”

 

Kyle-Meyr-Sony-alpha-9-group-of-skiers-making-their-way-down-a-slope-in-the-warm-evening-sun

© Kyle Meyr | Sony α9 + 16-35mm f/2.8 GM | 1/320s @ f/6.3, ISO 200

O interesse de Kyle na ação deriva da sua paixão pelo esqui. “A minha mãe é norueguesa e eu cresci nos EUA, onde estava sempre em encostas”, explica Kyle. Mas foi a exposição a um tipo de paisagem muito diferente que o direcionou para a fotografia de desporto e de aventura a tempo inteiro. Depois de estudar jornalismo em Londres durante três anos, a vida na cidade levou a que Kyle se apercebesse do quanto sentia falta da natureza. “Sabia que havia muito mais a fotografar na minha terra, na Noruega”, afirma, “e quando regressei, ninguém me conseguia parar, levei a câmara para todo o lado e fotografei todos os recantos da Noruega.”

Kyle-Meyr-Sony-alpha-9-skier-in-mid-air-after-tackling-a-high-jump

© Kyle Meyr | Sony α9 + 85mm f/1.4 GM | 1/16000s @ f/1.4, ISO 100

No entanto, o tempo que passou em Londres não foi um desperdício. A sua formação em jornalismo ajudou-o a aprender sobre a importância de transformar experiências em histórias.

“Sempre gostei de estar envolvido na cena e tinha inveja dos jornalistas que o conseguiam, como Hunter S Thompson ou Tom Wolfe, que efetivamente viviam a história. Quanto mais utilizava a minha câmara ao tentar participar nessas histórias, mais me apercebia de que seria um melhor contador de histórias se simplesmente apresentasse a imagem exata do que via às pessoas, independentemente de ser bonita ou não.”

Neste caso, viver a história significa que o fotógrafo e a câmara têm de estar à altura da situação. “Gosto de estar no exterior o máximo de tempo possível”, afirma Kyle, “Por isso, quando se trata da autonomia da bateria da câmara, é muito importante ter um equipamento que dure muito tempo. É essencial para os resultados que posso obter da sessão fotográfica.”

Kyle-Meyr-Sony-alpha-99II-group-of-climbers-camping-on-a-mountain-illuminated-by-late-evening-sun

© Kyle Meyr | Sony α99 II + 14mm f/2.8 | 13s @ f/2.8, ISO 1600

Vejamos a experiencia de fotografar um evento norueguês designado “Norseman”, um dos triatlos mais extremos do mundo. “Começamos a fotografar às duas da manhã, quando todos são levados de ferry para o meio de um fiorde”, afirma Kyle, “e só acabamos depois do pôr do sol. Para quem gosta mesmo de fotografar, como eu, facilmente acaba com, pelo menos, duas mil imagens. Tenho três baterias de reserva para a α9 e para a α7R III e ainda não fotografei nada em que não fossem suficientes.”

Kyle também confia no AF perfeito da α9: “Provavelmente, é a melhor função que já encontrei em qualquer câmara: acerta 99% das vezes e essa fiabilidade significa que quando vê uma imagem, é sua. Por isso, se estiver a esquiar, posso parar na encosta, pousar a mochila, pegar na câmara e sei que está pronta. E para mim, fazê-lo a 20 fps com autofocus contínuo, para captar todos os momentos da ação e selecionar mais tarde, é algo realmente inovador.”

Kyle-Meyr-Sony-alpha-9-canoeist-makes-his-way-across-lake-towards-mountain

© Kyle Meyr | Sony α9 + 85mm f/1.4 GM | 1/2000s @ f/1.4, ISO 100

Apesar de fotografar em locais com algumas das paisagens mais belas do mundo, a sua abordagem “imediata” de acompanhar o momento significa que Kyle tem pouco tempo para abordagens tradicionais à paisagem, como a utilização de filtros e suportes para a câmara. “Nunca me vão encontrar com um tripé”, ri-se Kyle, “Tenho uma mentalidade muito “acompanhar a ação” e quero fotografar no momento, por isso, confio no formato Raw e na capacidade da câmara.”

Relativamente ao sentido de aventura e natureza nas fotografias de Kyle, será que há algum aspeto específico que pretende encontrar num local? “Normalmente, estas histórias são sobre pessoas que saem da civilização, por isso, na grande maioria das vezes, não quero a presença de estradas nas fotografias. Considero que as estradas acabam por devolver a personagem ao ambiente civilizado”. Porém, em determinados aspetos, é algo que está a ficar mais difícil devido à atração que as fotos como as de Kyle conferem à natureza.

Kyle-Meyr-Sony-alpha-9-pair-of-skiers-stand-atop-snow-covered-mountain

© Kyle Meyr | Sony α9 + 70-200mm f/2.8 GM OSS | 1/320s @ f/2.8, ISO 100

“Na Noruega, estão a começar a construir estradas e escadarias de pedra para subir a determinadas montanhas porque facilita o percurso dos turistas até lá e, para mim, não há nada mais desapontante do que chegar ao cume de uma montanha e ver que alguém já lá construiu uma escadaria.”

Um exemplo chave deste conceito é a Pulpit Rock no Lysefjord. “É uma das obras mais belas que a Mãe natureza já produziu”, diz Kyle, “mas acabaram de prolongar a estrada até ao topo da montanha para reduzir a distância de caminhada. Perde-se totalmente o valor de poder conquistar a vista porque a maior parte da satisfação está em chegar lá, de ter começado no nível do mar e depois estar a 1000 m acima do mesmo. A atração gerada pelas fotografias destes locais e experiências é fantástica e eu quero que as pessoas os conheçam, mas ao facilitar a incursão pela natureza, estamos a mudar o seu caráter e a sua história.”

Produtos referidos neste artigo 

ILCE-9

Câmara sem espelho full-frame α9 com sensor CMOS empilhado

ILCA-99M2

α99 II com sensor de imagem full-frame retroiluminado

SEL70200GM

FE 70-200mm F2.8 GM OSS

SEL1635GM

FE 16-35mm F2.8 GM

SEL85F14GM

FE 85mm f/1.4 GM

Kyle Meyr
Alpha Universe

Kyle Meyr

Noruega

Não é comum encontrar tanta beleza num só local… Isto é a natureza.

Ver perfil


x