O Ártico e a Aurora

Ole Christian Salomonsen

Para a maior parte das pessoas, assistir a uma aurora boreal, um dos espetáculos de luz mais mágicos da natureza, é uma oportunidade única de uma vida, mas para Ole, com uma infância passada na Noruega, este é um fenómeno praticamente comum. Apenas mais tarde começou a perceber o efeito da aurora sobre as pessoas que a observam pela primeira vez e compreendeu que albergava um fascínio subconsciente pelas Luzes do Norte.

"Já vi homens adultos a chegar aqui e, ao ver este fenómeno pela primeira vez, choram e ficam bastante emotivos. É nesses momentos que me apercebo de que temos uma sorte imensa em poder presenciar este fenómeno sobre as nossas cabeças. Além disso, é realmente magnífico. O fascínio que tenho por este fenómeno aumentou à medida que fiquei mais velho."

Ole C. Salomonsen

© Ole C. Salomonsen | Sony α7R II + 15 mm f/2.8 | 5 s, f/2.8

Ole C. Salomonsen

© Ole C. Salomonsen | Sony α7R II + 15 mm f/2.8 | 2 s, f/2.8

Ole C. Salomonsen

 © Ole C. Salomonsen | Sony α7 II + 16-35 mm f/2.8 ZA SSM | 25 s, f/2.8© 

Ao longo dos últimos 10 anos, Ole tem reunido um vasto conjunto de imagens de auroras, fotografias que, muitas vezes, incorporam elementos de paisagens fortes e, nalguns casos, até a vida selvagem.

"Perdi a conta às auroras a que já assisti, mas nunca me canso, e não existem auroras iguais, pois variam sempre de intensidade, cor e velocidade. Têm uma qualidade extraterrena, uma ligação ao espaço e a tantas outras coisas, e julgo que é isso que nos fascina a nós, humanos."

Mesmo durante períodos de auroras de fraca intensidade, Tromsø, a cidade natal de Ole, situa-se diretamente por baixo da Aurora oval e é considerada um dos melhores locais para ver o espetáculo. A paisagem impressionante sobre o Ártico é o sonho de um fotógrafo com o sol da meia-noite no verão e os equinócios da primavera e do outono a proporcionar pores do sol e nasceres do sol longos e prolongados, repletos de uma luz suave rica.

Ole passa semanas a planear meticulosamente as suas fotografias e a escolher os locais. No entanto, ao contrário da fotografia de paisagem convencional, onde é possível fazer algumas previsões relativamente à posição do sol, etc., a natureza inconstante da aurora pode importunar até o fotógrafo mais paciente.

Ole C. Salomonsen

© Ole C. Salomonsen | Sony α7R II + 16-35 mm f/2.8 GM |
0.8 s, f/13

Ole C. Salomonsen

© Ole C. Salomonsen| Sony α7R II + 16-35 mm f/2.8 GM |
1/1250 s, f/10

Ole C. Salomonsen

© Ole C. Salomonsen | Sony α77 II + 70-200 mm f/2.8 G SSM II | 1/500 s, f/6.3

"Podes planear a composição perfeita, descobrir o rio que conduz à planície e depois esperar que a aurora apareça, para descobrires mais tarde que afinal não irá acontecer. A questão é saber se tens a paciência para esperar ou se preferes esquecer a composição e captar a imagem de outra forma."

Embora seja predominantemente um fotógrafo de cenas imóveis, Ole teve a ideia de captar o movimento da aurora. As suas primeiras tentativas, sob a forma de sequências animadas de imagens, tiveram um efeito de flash sem a graciosidade que imaginava. Foi aí que descobriu a α7s e percebeu que as suas capacidades de captação com pouca luz lhe permitiam gravar vídeo facilmente. Impressionado com as capacidades da câmara, Ole também experimentou a α7R e ficou imediatamente viciado.

Ole C. Salomonsen

© Ole C. Salomonsen | Sony α7 II + 24-70 mm f/4 ZA OSS | 1/1600 s, f/4.5

"Fiz alguns testes com a câmara e fiquei impressionado com a qualidade das imagens. Leve, com uma resolução fantástica e uma gama dinâmica superior à de qualquer câmara que utilizei anteriormente. Consegui destacar detalhes em áreas de sombra como nunca havia conseguido antes. Em comparação com o equipamento que utilizava, a α7R foi uma mudança radical."

Desde então, Ole atualizou o seu equipamento e agora fotografa com a α7R III, com um conjunto de lentes G & G Master e está verdadeiramente impressionado com o desempenho do vidro.

"Para o meu trabalho de paisagem utilizo a 16-35 mm f/2.8 GM ou a 12-24 mm f/4 G, a minha lente favorita para auroras. Também fotografo cenas de ação e vida selvagem e não dispensaria a minha 70-200 mm f/2.8 GM nem a 100-400 mm f/4.5-5.6 GM. Estas lentes são incrivelmente nítidas e melhores do que quaisquer outras que utilizei anteriormente. Também levo comigo uma 24-70 mm f/2.8 GM, por isso, estou muito bem servido entre 12 mm e 400 mm!"

Produtos referidos neste artigo

ILCE-7RM2

α7R II com sensor de imagem full-frame com retroiluminação

ILCE-7M2 BODY / KIT

Câmara α7 II de montagem tipo E com sensor full-frame

Estrutura da ILCA-77M2/kit

ILCA-77M2 câmara SLR

SAL1635Z2

Vario-Sonnar® T* 16-35 mm F2.8 ZA SSM II

SEL1635GM

FE 16-35mm F2.8 GM

SAL70200G2

70-200 mm F2.8 G SSM II

SEL2470Z

Vario-Tessar T* FE 24-70 mm F4 ZA OSS

Ole Christian Salomonsen
Alpha Universe

Ole Christian Salomonsen

Noruega

Faço fotografia para caçar a luz do ártico.

Ver perfil

TEST


x