Detalhe da história da Alpha Universe
Detalhe da história da Alpha Universe
Enfrentar a adversidade 

Andrea Frazzetta 

É estranho um fotojornalista sentir-se inspirado por uma selfie improvisada publicada online? Talvez. Mas vivemos em tempos estranhos. A verdade é que existem poucos retratos mais poderosos nos últimos meses do que o autorretrato de Alessia Bonari, uma enfermeira no fim de um turno de 12 horas num hospital atingido pela COVID-19 no norte de Itália.

"Foi numa quarta-feira, 11 de março de 2020", explica o fotojornalista Andrea Frazzetta, "e a publicação de Alessia chegou a milhões em todo o país. As marcas da máscara que usara todo o dia pareciam feridas após um combate. Para mim, a imagem simbolizava perfeitamente o que estava a acontecer no mundo."

andrea frazzetta sony alpha 7RM3 retrato de funcionário de hospital na linha da frente em Itália

© Andrea Frazzetta | Sony α7R III + FE 24-70mm f/2.8 GM | 1/250s @ f/6.3, ISO 400

Andrea continua: "Em meados de março, o norte de Itália tornara-se o epicentro da pandemia global da COVID-19. Na Lombardia, onde o vírus começou por explodir no ocidente, um sistema de cuidados de saúde rico e avançado tornava-se subitamente uma zona de guerra."

Motivado pela crise, Andrea Frazzetta decidiu responder como o fotojornalista experiente que é, com uma série de imagens que narram o esforço histórico para combater este vírus mortal. Criou uma série de retratos impactantes, em hospitais do norte de Itália durante os piores dias da luta contra a COVID-19, com imagens publicadas na New York Times Magazine.

Ao longo das semanas seguintes, Andrea fotografou retratos de funcionários na linha da frente em hospitais e clínicas de Brescia, Bergamo e Milão.

"A ideia foi muito instintiva, mas também um impulso simples muito comum em documentação e retrato fotográfico: focamo-nos nos rostos dos protagonistas durante uma tragédia e contamos assim a história humana e o custo humano." 

andrea frazzetta sony alpha 7RM3 retrato de enfermeira a retirar máscara no fim do turno

© Andrea Frazzetta | Sony α7R III + FE 24-70mm f/2.8 GM | 1/250s @ f/4.5, ISO 400

Os protagonistas da série de Andrea incluíram "bombeiros, voluntários, funcionários de limpeza, enfermeiros, médicos e médicos diretores. Um total de 30 objetos, todos fotografados no fim dos seus turnos, quando retiravam as máscaras. Quis mostrar a sua fadiga e ler nos seus olhos o que estava a acontecer."

Os fotojornalistas como Andrea trabalham constantemente no fio da navalha e, embora esta não fosse uma zona de guerra normal, o perigo era igualmente real, mas invisível. "Corri realmente perigo, mas tomamos todas as precauções possíveis. Há sempre uma percentagem de risco no que fazemos. Mas também estava assustado e chocado com a dor que via nos rostos que estava a documentar. Espero que este medo seja visível nas fotografias." 

Todos os retratos foram captados "com uma técnica muito simples", explica Andrea. "Utilizei apenas um flash HVL-F45RM portátil, separado da câmara e comandado com um comando rádio sem fios FA-WRC1M. A técnica tinha de ser rápida para economizar tempo, mas também para obter uma estética pura, que espelhasse a situação que estava a captar. Poder disparar um pequeno flash externo tão facilmente é uma técnica fundamental em todo o meu trabalho." 

andrea frazzetta sony alpha 7RM3 mulher-polícia italiana a colocar uma máscara

© Andrea Frazzetta | Sony α7R III + FE 24-70mm f/2.8 GM | 1/125s @ f/3.5, ISO 400

Além das emoções intensas associadas à situação, houve também desafios técnicos. "Não é fácil fotografar com equipamento de proteção", explica Andrea. "A máscara, luvas, fatos e, especialmente, os óculos são um obstáculo. Por exemplo, não podemos fotografar e olhar pelo visor eletrónico, por isso, é necessário usar o monitor. E a máscara é uma barreira psicológica adicional. Como os objetos não veem as nossas expressões, não é fácil estabelecer a relação fundamental para um retrato."

Embora o mais importante seja o projeto no todo, Andrea destaca os seus retratos de Monica Falocchi e Marco Rizzi como os mais importantes para si. "A fotografia de Monica tornou-se particularmente importante nesta série. Além de fazer a capa da New York Times Magazine, é um verdadeiro símbolo de resistência face à catástrofe." 

Um dos primeiros retratos da série, a imagem de Monica "fez-me compreender a direção que devia seguir," afirma. "Ao sair da Unidade de Cuidados Intensivos por alguns minutos, retirou a máscara e olhou-me através da câmara. Nesse olhar havia toda a dor dessa noite. Após ouvir o clique da câmara, colocou novamente a máscara e regressou para junto dos seus pacientes, impelida pelo seu sentido de dever." 

andrea frazzetta sony alpha 7RM3 retrato de marco do hospital papa giovanni em itália

© Andrea Frazzetta | Sony α7R III + FE 24-70mm f/2.8 GM | 1/250s @ f/5.6, ISO 400

Sobre Marco, diretor da Unidade de Doenças Infeciosas no hospital Papa Giovanni XXIII, Andrea diz que "é uma imagem ligeiramente desfocada. Não é tecnicamente perfeita. Mas capta, nos olhos de Marco, toda a emoção do momento. Por vezes, a imperfeição é um valor extra. Ajuda-nos a ver a vida."

Como é natural, os retratos tinham de ser concluídos muito mais rapidamente do que os projetos habituais de Andrea, com a dificuldade do equipamento de proteção pessoal sempre presente entre si e os objetos. "Cada um apenas demorou alguns minutos, mas nesse curto período, estabeleceu-se uma relação intensa com os objetos."

andrea frazzetta sony alpha 7RM3 retrato de cirurgião a retirar máscara no fim do turno

© Andrea Frazzetta | Sony α7R III + FE 24-70mm f/2.8 GM | 1/250s @ f/4.5, ISO 400

Fotografar com uma Sony α7R III e uma lente FE 24-70 mm f/2.8 GM também foi essencial para Andrea, permitindo-lhe trabalhar de forma rápida e eficiente numa situação tão complexa. "É uma combinação leve, rápida e fiável, o que é vital, pois não podíamos perturbar o trabalho destas pessoas mais que alguns segundos. Focar com o sistema de deteção de rosto foi fundamental para ser mais rápido e preciso no momento da captação e a gama focal de 24-70 mm é perfeita para mim. Permite-me pensar no retrato e ser flexível no enquadramento para fornecer o contexto dos objetos."

Com sinais de um retorno muito lento à vida normal no norte de Itália, Andrea espera que as suas imagens tenham um impacto duradouro. "Será sempre um projeto muito importante para mim, a nível profissional e pessoal. Estas imagens passaram a integrar um arquivo permanente em Itália que continuará a recolher obras fotográficas sobre a pandemia. A fotografia é muito importante deste ponto de vista. A memória destes dias deve ajudar-nos a pensar num futuro melhor. Não sei como será a vida depois do vírus, mas nada voltará a ser como dantes." 

Produtos incluídos
ILCE-7RM3
Câmara α7R III full-frame de 35 mm

ILCE-7RM3

SEL2470GM
FE 24-70mm F2.8 GM

SEL2470GM

HVL-F45RM
Flash externo com controlo por rádio sem fios

HVL-F45RM

FA-WRC1M

Comando de rádio sem fios

FA-WRC1M

Artigos relacionados
Andrea Frazzetta
alpha universe

Andrea Frazzetta

Itália

"A fotografia é para mim uma ferramenta ideal de exploração, uma forma de descobrir o mundo, os outros e a mim próprio. Com cada fotografia, "tiramos" alguma coisa, mas também devolvemos alguma coisa, através do nosso envolvimento no que estamos a registar e da expressão da nossa própria perspetiva. Uma fotografia é como uma tomada de posição no mundo."

Ver perfil


x