A imagem é tudo 

 Peter Neill

Não é coincidência que um dos géneros de fotografia mais glamorosos, a fotografia de música, seja também um dos meios em que é mais difícil. Com esforço e dedicação, Peter Neill tornou-se um dos fotógrafos de música ao vivo mais requisitados da indústria.

A forma como fotografa os artistas durante a atuação permitiu-lhe trabalhar com alguns dos maiores nomes da música, incluindo The Script, Rick Astley, Will.I.am e Justin Timberlake.

peter-neill-sony-alpha-7RIII-rock-star-with-gibson-hummingbird-guitar
© Peter Neill | Sony α7R III + 24-70mm f/2.8 GM | 1/320s @ f/2.8 ISO 1600

Apesar da espontaneidade de algumas destas imagens incríveis de atuações ao vivo, por vezes, existe um grande trabalho de pesquisa e planeamento por trás das fotografias que acabamos por ver.

"Quando trabalho pela primeira vez com um artista, pesquiso as características pelas quais é conhecido. Por exemplo, Nicky Wire (o baixista dos Manic Street Preachers) faz sempre um salto louco em tesoura, enquanto Danny dos The Script costuma saltar da bateria no final do espetáculo. Temos de estar preparados para captar esses momentos." 

peter-neill-sony-alpha-7SII-the-band-elbow-in-concert-2018
© Peter Neill | Sony α7S II + 24-70mm f/2.8 GM | 1/320s @ f/2.8 ISO 5000

 “Uma das coisas que adoro fazer quando vou fotografar artistas com os quais nunca trabalhei antes é procurar vídeos dos seus concertos captados por fãs no YouTube. Podem ser uma excelente forma de saber o que vai acontecer. Por exemplo, imaginemos que tenho um passe de imprensa para tirar fotografias apenas durante três músicas. Durante a segunda música, todos os fotógrafos no espaço para a imprensa vão para a direita, enquanto o baixista toca na beira do palco. No entanto, sei que o que vai acontecer a seguir na terceira música é ainda melhor, já que o vocalista vai fazer algo no lado esquerdo. Posso ser aquela pessoa que está lá, pronta para conseguir a fotografia que mais ninguém consegue.” 

peter-neill-sony-alpha-7RIII-the-script-lead-singer-with-gibson-acoustic-in-concert

© Peter Neill | Sony α7R III + 24-70mm f/2.8 GM | 1/800s @ f/2.8 ISO 1250

Como tudo o resto na vida, Peter tenta cultivar relações com as pessoas com quem trabalha e opta por não disparar por tudo e por nada em cada oportunidade.

"Por vezes, as melhores imagens nascem da confiança criada e de saber quando colocar de novo a tampa da lente na câmara. Há alguns anos, estava nos bastidores com Gary Barlow, a conversar com o seu agente, quando a família de Gary apareceu subitamente e se dirigiu a correr ao seu camarim. Instintivamente, coloquei a tampa da lente de novo na câmara."

"Algumas horas mais tarde, Gary disse-me: «Vi o que fizeste com a tampa da lente. Agradeço imenso». Estes pequenos momentos podem ter um grande impacto e, desde então, sempre que encontro Gary, tenta corresponder aos meus pedidos, já que estabelecemos uma relação de confiança desde cedo."

ter-neill-sony-alpha-7SII-guy-garvey-elbow-in-concert
© Peter Neill | Sony α7S II + 24-70mm f/2.8 GM | 1/500s @ f/2.8 ISO 640

Nos últimos anos, Peter divide o tempo entre o estúdio e o palco, mas continua a ser a relação com os artistas a dar-lhe as imagens que deseja.

"Até hoje, todas as pessoas com quem trabalhei em estúdio são pessoas que já conhecia há algum tempo, o que me permite conhecer a sua personalidade. Rick Astley, por exemplo, tem uma personalidade muito divertida, por isso, pedi-lhe para fazer algumas coisas em estúdio que revelassem esse seu lado. Não poderia pedir-lhe isso se não o conhecesse pessoalmente."

peter-neill-sony-alpha-7SII-rick-astley-in-the-studio-posing-for-portrait

© Peter Neill | Sony α7S II + 24-70mm f/2.8 GM | 1/250s @ f/3.2 ISO 400

Num estúdio, as imagens são sempre um processo de colaboração para Peter, embora também acredite que a sua função enquanto fotógrafo corresponda à de um criativo, não sendo simplesmente mais uma pessoa a trabalhar com uma câmara.

"Costumo pedir ao artista para me dar imagens de coisas de que realmente gosta. Quando um cliente contrata uma pessoa criativa, contrata-a precisamente para isso, para ser criativa. Trata-se de encontrar um equilíbrio entre as necessidades do cliente e aquilo que julgamos e antecipamos como sendo ainda melhor e a forma de elevar a fotografia a outro patamar. É acreditarmos em nós próprios enquanto especialistas de fotografia."

peter-neill-sony-alpha-7SII-coldabank-in-the-studio-portrait

© Peter Neill | Sony α7S II + 24-70mm f/2.8 GM | 1/250s @ f/8.0 ISO 50

Para tirar todas as suas fotografias, Peter confia em duas câmaras, a Sony α7R III e a Sony α7S II, sendo que cada uma proporciona funcionalidades ligeiramente diferentes adequadas ao que está a fotografar. 

"A flexibilidade entre as duas câmaras é simplesmente fantástica. Ambas são excelentes para fotografia e vídeo. Por exemplo; se quero fotografias incríveis ou gravar vídeo, em condições de pouca luz, a α7S II tem um desempenho absolutamente fenomenal. Se quero a melhor resolução, utilizo a α7R III. As minhas duas lentes principais são a 24-70 mm f/2.8 G Master e a 70-200 mm f/2.8 G Master. Também já utilizei várias vezes a lente 85 mm f/1.4 G Master e adoro a abertura manual desta lente. É a próxima lente que vou comprar!"

A quem desejar seguir as suas pisadas, Peter recomenda determinação e persistência.

"Ouvimos muitas recusas antes de conseguirmos o primeiro acesso aos bastidores. É necessário ser determinado porque a maior parte das pessoas acaba por desistir. Os mais determinados são os vencedores. O mais importante é ter a atitude certa."

As melhores sugestões de Peter para obter as melhores imagens

Conheça quem está a fotografar. Saiba mais acerca do seu desempenho em palco e saiba o que esperar em músicas específicas. 

Ao trabalhar no estúdio a tirar retratos, estabeleça uma relação com o objeto. Isso ajudará a tirar o melhor partido do objeto e a obter melhores imagens. 

Saiba quando colocar a câmara de parte. Se tiver a sorte de conseguir acesso aos bastidores, saiba quando deve parar de fotografar o artista e compreenda quando o espetáculo chegou ao fim. 

Conheça a câmara por dentro e por fora; terá de ser capaz de encontrar os botões em ambientes escuros.

Experimente utilizar a focagem manual. Utilize a vista ampliada e o peaking de focagem para obter rapidamente resultados com precisão.

 Produtos em destaque neste artigo 

ILCE-7RM2

α7R II com sensor de imagem full-frame com retroiluminação

ILCE-7RM3

Câmara full-frame α7R III de 35 mm com focagem automática

SEL2470GM

FE 24-70 mm f/2.8 G Master

TEST
Peter Neil
Alpha universe

Peter Neil

Reino Unido 

Peter Neill é o fotógrafo mais sólido que encontramos até hoje. Resumidamente, deixamos de recorrer a qualquer outra pessoa. - Mark Sheehan, The Script.

Ver perfil


x