peter neill sony alpha 7SII guitarrista fica sozinho no palco de frente para o público

Como fotografo | Música ao vivo

Peter Neill

Apesar de estar lá para conseguir as imagens de que preciso, tenho de estar atento às outras pessoas. Em primeiro lugar, os próprios artistas. Quando se fotografa nos bastidores, há que saber quando parar de fotografar. Não faz mal tirar umas fotografias do vocalista a escolher a roupa que vai vestir à noite, mas não está certo ficar ali cinco minutos em cima deles a pairar como uma vespa

peter neill sony alpha 7SII guy garvey da elbow em palco com ecrãs suspensos sobre a sua cabeça

© Peter Neill | Sony α7S II + FE 24-70mm f/2.8 GM | 1/200s @ f/2.8, ISO 1600

Depois temos o público. Ao bloquear-lhes a vista, estamos a desvalorizar a experiência de alguém que pagou para estar ali. Temos de ter respeito e eu tento sempre pedir primeiro. Se estiver prestes a tapar-lhes a vista, viro-me, peço desculpa e digo "obrigado". Um pequeno gesto de cortesia pode fazer toda a diferença.

peter neill sony alpha 7RIII guitarrista com gibson les paul canta com entusiasmo para o público

© Peter Neill | Sony α7R III + FE 24-70mm f/2.8 GM | 1/500s @ f/3.5, ISO 1600

As for other photographers, if I am on the whole tour, I won’t go in to the pit for the first three songs. Press photographers only have these three songs to get the best possible shots they can, so it isn’t fair for me to be an extra body in the pit. Instead I try and I use those three songs as a creative opportunity to find a unique spot in that venue. Getting the Shot So, what makes an image that I am genuinely excited about? Essentially any that portray the energy at the gig. I am looking for ways to show the energy in the room. Often that can mean shooting through the crowd, after all, without the crowd it could just be a shot from a production rehearsal. There aren’t rules to this, it’s about looking through the viewfinder and just knowing what feels right. It becomes instinct the more you do it.

peter neill sony alpha 7SII cantor enérgico com os braços estendidos visto de cima

© Peter Neill | Sony α7S II + FE 24-70mm f/2.8 GM | 1/800s @ f/4.0, ISO 2000

Câmaras e lentes: o que utilizar e quando

Tenho sempre duas câmaras no meu pescoço, a Sony α7R III e a α7S II. A grande maioria das minhas imagens são tiradas com a α7R III. O sensor de 42,2 megapíxeis oferece imagens detalhadas e é muito bom com pouca luz. No entanto, quando a luz é muito baixa, uso a α7S II. Tem um sensor de resolução mais baixo, mas posso fotografar com sensibilidade elevada, sem introduzir muito ruído na imagem.

peter neill sony alpha 7SII vocalista e guitarrista com os braços esticados dirigem-se ao público

© Peter Neill | Sony α7S II + FE 24-70mm f/2.8 GM | 1/800s @ f/4.0, ISO 2500

Existem quatro lentes a acompanhar: a lente 24-70mm f/2.8 GM, que geralmente está colocada numa das câmaras e a lente 85mm f/1.4 GM ou 70-200mm f/2.8 GM na outra. Na minha bolsa, tenho a lente 12-24mm f/4 G guardada para fotografias super grande angulares. Estas lentes abrangem tudo o que preciso para fotografar um concerto.

Se estou a fotografar um único concerto, em vez de uma digressão, a lente 24-70mm f/2.8 GM é excelente para estar na câmara. Consigo fotografar a noite toda só com essa lente. No entanto, quando estou a fotografar uma digressão e já tenho algumas imagens boas, por vezes uso apenas a lente 85mm f/1.4. Limitarmo-nos a apenas uma lente torna-se interessante porque começamos a concentrar-nos nos detalhes e a procurar tipos de fotografia mais criativos.

peter neill sony alpha 7RIII silhueta de vocalista em frente à luz azul do palco

© Peter Neill | Sony α7R III + FE 24-70mm f/2.8 GM | 1/1000s @ f/2.8, ISO 800

A lente 85mm f/1.4 GM é ótima num local com menos luz. Recentemente apaixonei-me pelo AF de olhos da α7R III, especialmente ao usar a lente 85mm GM totalmente aberta em f/1.4. A nova atualização significa que ela está sempre à procura de um olho, por isso todas as fotografias têm um cantor focado, em vez das suas pestanas ou do nariz, ou do microfone à frente da cara. Muda completamente o jogo.

peter neill sony alpha 7SI vocalista fica sozinho na frente do palco a interagir com o público

© Peter Neill | Sony α7S II + FE 85mm f/1.4 GM | 1/1250s @ f/1.4, ISO 200

Focusing I switch between using autofocus and manually focusing. Using manual focus is a creative choice. For example, I may want the guitar strings to be pin-sharp, and have the easily identifiable blur of the lead singer in the background. To help do this, I take full advantage of the Focus Peaking feature, which also helps when I am using older manual vintage lenses. I also set a custom button to activate and magnify the image. I can punch in live to the image and check focus, which is important when you have the high resolution of the α7R III. Exposure I always use the camera in fully manual exposure mode. I like to have control over the shutter, the aperture and the ISO sensitivity at all times. Which aperture I choose has commercial and technical considerations. For example, If I am trying to do a shot for a tour poster, I need to make sure that every member of the band is in focus, so I may be shooting at f/5.6 rather than f/2.8 or f/1.4. When it comes to shutter speed you have to consider motion blur from the movement of the artist. The slowest that I am comfortable shooting is around 1/160th sec if I’m wanting a pin sharp image. Of course, motion blur can be artistic choice, and in those cases I may go a lot lower to get motion blur on drums or strings for example.

peter neill sony alpha 7SII guitarrista observa a partir do palco enquanto a multidão segura nos telemóveis

© Peter Neill | Sony α7S II + FE 24-70mm f/2.8 GM | 1/200s @ f/2.8, ISO 800

Então, o que devo mostrar? Bem, existem alguns aspetos importantes dependendo da fotografia, mas o rosto dos artistas é normalmente a chave. Tanto a α7R III como a α7S II me facilitam o trabalho quando preciso de realçar detalhes de sombras ao editar ficheiros raw, por isso a minha regra geral é evitar destaques cortados. Uso o histograma para ajudar a verificar a exposição de destaque antes de tirar a fotografia. Prefiro ter sempre mais sombra e não perder os destaques, mas há momentos em que não posso ser ajudado. Não me importo com um pontinho estranho ou o projetor desproporcional, mas quando existe uma grande área plana, evito completamente. Acho muito mais eficaz realçar as sombras do que tentar reduzir os destaques.

Produtos incluídos

Peter Neill

Peter Neill | Reino Unido

"Peter Neill é o fotógrafo mais sólido que encontramos até hoje. Resumidamente, deixamos de recorrer a qualquer outra pessoa. - Mark Sheehan, The Script"

Inscreva-se para receber a sua newsletter α Universe

Parabéns! Subscreveu a newsletter α Universe com êxito

Introduza um endereço de e-mail válido

Lamentamos! Ocorreu um erro

Parabéns! Efetuou a subscrição com êxito