Um campeão do desporto

 Bob Martin

Bob Martin é um fotógrafo de desporto vencedor de vários prémios, especializado em fotografia de desporto e de ação para clientes de publicidade, empresariais e editoriais.

Bob Martin

Ao longo de uma carreira de trinta anos, Bob fotografou todos os principais eventos desportivos do mundo, desde os últimos quinze Jogos Olímpicos de verão e de inverno até às competições de polo em elefante e corridas de cavalos no gelo. Fotografa o torneio de ténis de Wimbledon desde 1982 e o seu trabalho levou-o aos locais mais longínquos. As suas fotografias apareceram em diversas publicações, incluindo a Sports Illustrated, Time, Newsweek, Life Magazine, Stern, Paris Match, Bunte, L’Équipe, The Sunday Times e o New York Times, para referir apenas algumas.

O seu trabalho foi reconhecido por mais de 60 prémios nacionais e internacionais e venceu por três vezes o prestigiado prémio British Sports Photographer of the Year. Em 2015, editou o seu livro premiado "1/1000th: The Sports Photography of Bob Martin", uma extraordinária retrospetiva de trinta anos de cobertura dos principais eventos desportivos do mundo.

Recentemente, falámos com Bob sobre fotografia e o motivo pelo qual mudou de uma DSLR para as câmaras sem espelho da Sony.

Bob-Martin-sony-alpha-9-tennis-close-up-of-tennis-players-feet-as-they-leave-the-ground-mid-shot
© Bob Martin | Sony α9 + FE 400mm f/2.8 GM OSS | 1/2500s @ f/5.0 ISO 640

O que o inspirou a tornar-se fotógrafo de desporto profissional?

Sempre fui um fã do desporto, embora não soubesse que viria a ser fotógrafo desportivo. O meu sonho era apenas ser fotógrafo e, nos meus tempos de escola, andava obcecado pela câmara escura. Durante a faculdade, estava sempre a fotografar e depois comecei a trabalhar como fotojornalista. Adorava viajar e ver as minhas imagens nos jornais, dias mais tarde. Comecei a receber trabalho ocasional de agências de fotografia relacionadas com desporto e foi assim que tudo começou.

Bob-Martin-sony-alpha-9-gymnast-twirling-a-ribbon-into-a-circle

© Bob Martin | Sony α9 + FE 100-400mm f/4.5-5.6 GM OSS | 1/1000s @ f/5.6 ISO 3200

Qual é o segredo para continuar a tirar fotografias diferentes e emocionantes?

Um amigo que tenho nos EUA, Walter Iooss, talvez o fotógrafo de desporto mais famoso de sempre, disse-me uma vez, há alguns anos: "Tens de te reinventar permanentemente, senão tornas-te num dinossauro". Nunca esqueci essas palavras e continuam a ser verdadeiras. Adoro jornais e imagens impressas, por isso pode parecer horrível dizê-lo, mas os jornais e as revistas são uma espécie em extinção e os fotógrafos com ideais fundamentalistas e que não evoluíram são autênticos dinossauros. Não quero que a minha fotografia estagne, quero continuar a arriscar e a única forma de manter o meu trabalho atual passa por ser criativo. É por isso que, atualmente, colaboro muito com agências reguladoras e federações desportivas. São dos poucos clientes ainda dispostos a investir em fotografia de qualidade. Tento oferecer-lhes um produto diferente das imagens convencionais a que estamos habituados.

Bob-Martin-sony-alpha-9-golfer-hits-his-ball-out-of-a-bunker
© Bob Martin | Sony α9 + FE 400mm f/2.8 GM OSS | 1/5000s @ f/2.8 ISO 100

A sua colaboração com agências reguladoras e federações desportivas significa que já não fotografa tanto quanto gostaria?

Fotografo menos do que costumava, especialmente devido à minha idade, mas continuo a fotografar muitos eventos importantes, como os Jogos Olímpicos e Wimbledon. Fotografo ainda eventos mais pequenos, mas em vez de estar no meio da ação, controlo-a a partir de fora, por assim dizer, ao organizar equipas de fotógrafos. Na realidade, já não tenho idade para estar atrás de uma baliza numa tarde chuvosa de domingo.

Também trabalha como consultor para o Comité Olímpico Internacional. O que é que esse trabalho envolve?

Podem ser funções tão simples quanto sugerir recomendações de organização de fotógrafos ou tão detalhadas como aconselhar sobre o tamanho e a disposição de logótipos, para garantir a melhor visibilidade nas imagens finais. Nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, ajudei a escolher as cores de vários recintos. Por exemplo, para os eventos de natação, queriam utilizar a cor verde como esquema de cor e chamei a atenção para o facto do verde não resultar quando refletido na água azul! 

Bob-Martin-sony-alpha-9-skier-silhouetted-against-the-snow-attempts-a-fast-slalom

© Bob Martin | Sony α9 + FE 400mm f/2.8 GM OSS | 1/5000s @ f/5.6 ISO 320

Considera que a tecnologia das câmaras mudou a sua abordagem à fotografia de desporto?

Sem dúvida. Quando surgiu a função de focagem automática, dizia-se que era o fim da fotografia, pois qualquer pessoa seria capaz de fotografar com boa nitidez, mas para mim, foi fantástico, porque não tinha uma visão fantástica. Atualmente, as câmaras são excelentes e tornam a minha fotografia de desporto ainda melhor. Em vez de me preocupar se uma imagem está focada ou não, posso concentrar-me na composição, no fundo e na iluminação. Mas é importante lembrar que, apesar das câmaras modernas fazerem muito trabalho por nós, é necessário compreender os princípios da fotografia e saber em que casos determinadas funções nos podem ser úteis. Não sou nada sentimental em relação ao equipamento que utilizo: se uma câmara funciona bem como ferramenta para o meu trabalho, então gosto dela.

Bob-Martin-sony-alpha-9-horse-racers-approaching-the-finish-line

© Bob Martin | Sony α9 + FE 400mm f/2.8 GM OSS + 2x Converter | 1/1600s @ f/8.0 ISO 800

O que o fez escolher as câmaras Sony Alpha para o seu trabalho?

Para ser franco, a característica que mais me interessou inicialmente foi o silêncio de disparo. Permitia-me fotografar em situações em que normalmente não o podia fazer, como em competições de golfe, por exemplo, quando estou próximo do putt final, no 18.º buraco, e é necessário máximo silêncio. A primeira câmara que experimentei foi a α7R II, que me permitiu fotografar em situações em que anteriormente não conseguia fazê-lo. Admito que o visor eletrónico não me entusiasmava muito, porque estava muito habituado ao visor da DSLR, mas hoje em dia já não consigo dispensá-lo. Fez uma enorme diferença no meu fluxo de trabalho, já que posso calcular a exposição antes de premir o obturador. Atualmente, utilizo a α9 na maioria das minhas fotografias por se adaptar perfeitamente ao meu estilo. Como referi anteriormente, vejo as câmaras como ferramentas e a α9 é uma ferramenta que funciona perfeitamente no meu trabalho.

TEST

 Produtos em destaque neste artigo 

ILCE-9

Câmara sem espelho full-frame α9 com sensor CMOS empilhado

SEL100400GM

Lente super teleobjetiva com zoom FE 100-400 mm G Master

SEL400F28GM

FE 400 mm F2.8 GM OSS

SEL20TC


Lente de teleconversor 2x

Ver mais da imagem de Bob Martin

x