A quebrar fronteiras

Davide Monteleone

Pouco tempo depois de as imagens captadas por Davide Monteleone em que surgem mãe e filha reunidas na capa da revista Time, com o projeto "Beyond Walls" a ocupar 28 páginas, Davide recebeu uma mensagem.

"Foi a primeira vez que vi os migrantes da América do Sul como indivíduos e, depois de os observar durante muito tempo, penso que já os compreendo melhor", lia-se no e-mail. Há melhor prova do poder da fotografia na atualidade? No fim de contas, a migração é a história do nosso século e os fotojornalistas devem reagir, investigar e enfrentar o que está a acontecer.

Davide Monteleone, Sony Alpha 7RIII, migrante Manuel Omar Meza Giron nas Honduras

© Davide Monteleone | Sony α7R III + FE 24-70mm f/4 ZA OSS | 1/125s @ f/4.0, ISO 200

O objetivo do artigo da Time era claramente confrontar perspetivas sobre a migração e as imagens de Davide não só o conseguiram fazer, como tiveram um impacto vital. O método consistiu em criar retratos delicados e memoráveis, ao contrário da forma como são retratados na comunicação social.

Segundo Davide, todas as imagens foram captadas com um fundo branco simples "por isso, sem o contexto, temos de focar a nossa atenção apenas na pessoa. Elimina o estereótipo da migração, os aspetos que normalmente vemos: o sofrimento, as filas… um acampamento com pessoas desesperadas." E com esse efeito tão simples, explica-nos, é possível mudar o seu estatuto. "Tornam-se indivíduos, pessoas reais, e é mais difícil utilizar palavras desumanizadoras como "enchente", "vaga", "massa"… permite-nos derrotar esses conceitos."

Depois da experiência com outras câmaras, para este projeto da Time, foi necessária uma nova ferramenta por um bom motivo.

 

Davide Monteleone, Sony Alpha 7RIII, migrante Dago Romero nas Honduras

© Davide Monteleone | Sony α7R III + FE 24-70mm f/4 ZA OSS | 1/20s @ f/4.5, ISO 400

"Utilizei a Sony α7R III", explica Davide, "o que foi inicialmente uma grande mudança, mas rapidamente valorizei as suas vantagens. Em termos logísticos, foi ótimo utilizar uma câmara pequena e leve com qualidade profissional porque o projeto "Beyond Walls" (Ultrapassar fronteiras) tinha de ficar pronto em apenas 15 dias. Por isso, como uma câmara de grande formato precisa sempre de tripé e de luzes, pudemos trabalhar muito mais rapidamente com a α7R III e apenas colocamos um pano de fundo branco na parede e pouco mais. A qualidade da câmara é impressionante, o que a torna perfeita para imprensa ou para fazer impressões em tamanhos gigantes. É verdadeiramente incrível."

Outro dos aspetos da α7R III que mudou a forma de trabalhar de Davide foi a resistência às intempéries: "Certo dia, enquanto fotografava junto à fronteira em Tijuana, chovia bastante e não podíamos esperar porque tínhamos apenas quatro dias para fotografar. Estava habituado a câmaras antigas e ao receio de deixar entrar sequer uma gota de água nas mesmas, mas com a α7R III, essa preocupação simplesmente não existe. Se estivesse a fotografar em grande formato, teria precisado de um assistente com um guarda-chuva! Neste caso, apenas tinha de me lembrar de limpar a lente ocasionalmente. É uma caraterística que aumenta muito a produtividade e que também utilizei no ártico e no deserto."

"Trabalhar com uma câmara com o tamanho da α7R III também é menos intimidador para os objetos mais sensíveis", afirma Davide, e acrescenta que a velocidade da câmara também permite libertar o fotógrafo que a utiliza.

Davide Monteleone, Sony Alpha 7RIII, migrante Lawerence Ebhohon em Lippstadt, Alemanha

© Davide Monteleone | Sony α7R III + FE 24-70mm f/4 ZA OSS | 1/80s @ f/5.0, ISO 400

"O AF é tão rápido que passa despercebido e isso permite compor a imagem, falar com o objeto e esquecer a câmara." Tal como acontece com a maioria das ferramentas, "se não reparamos na câmara, está a funcionar na perfeição."

O que também passa despercebido nas imagens de Davide é o pano de fundo, embora seja o elemento que confere a simplicidade marcante de uma sessão de estúdio. Na realidade, "toda a luz é natural", remata Davide, "e só colocámos o fundo na direção oposta à do sol, na sombra, o que tornou a luz bastante suave." Fotografou no modo manual, com uma ligeira sobre-exposição para obter um fundo limpo, o que permitiu colocar os objetos no primeiro plano.

Davide Monteleone, Sony Alpha 7RIII, migrante Brayan Mejia em Tijuana, México

© Davide Monteleone | Sony α7R III + FE 24-70mm f/4 ZA OSS | 1/60s @ f/8.0, ISO 100

Produtos referidos neste artigo

ILCE-7RM3

Câmara full-frame α7R III de 35 mm com focagem automática

ILCE-7RM3

SEL2470Z

Vario-Tessar T* FE 24-70 mm F4 ZA OSS

SEL2470Z

Davide Monteleone
Alpha Universe

Davide Monteleone

Itália

"Venho da tradição da fotografia documental, mas o meu interesse é despertar a curiosidade, em vez de transmitir informações. A melhor história não é a própria imagem, mas sim o que está à volta e por trás da mesma. O que vê no fotograma é apenas uma janela emocional."

Ver perfil

x