Detalhe da história da Alpha Universe
Detalhe da história da Alpha Universe
Uma História dos Confins do Mundo 

Maciek Jabłoński 

"A Antártida é um mundo diferente", diz o realizador Maciek Jabłoński, com o deslumbramento de quem testemunhou o último grande ambiente selvagem do planeta.

Continua a ser um ambiente perigoso e brutal, "mesmo após mais de 100 anos de exploração, com todas as tecnologias modernas de navegação e segurança", os perigos e a beleza do Oceano Antártico transparecem com realismo no seu primeiro documentário: "Selma – An Adventure from the Edge of the World" (Selma – uma Aventura nos Confins do Mundo). O filme conta a história da expedição no iate polaco S/Y Selma e da viagem dos seus 11 tripulantes pelo Mar de Ross, as águas mais frias e mais a sul no mapa.

maciek jablonski sony alpha 7M3 marinheiro luta com o leme durante tempestade

© Maciek Jabłoński | Sony α7 III + FE 16-35mm f/4 ZA OSS | 1/100s @ f/11, ISO 800

Ao produzir o filme a partir de filmagens captadas na expedição pelo Mar de Ross e "de muitas outras expedições de iate na Antártida a esta área", Maciek realizou um filme que retrata não só a proeza da tripulação, mas também a força de carácter necessária para pilotar um pequeno iate nestas águas emocionantes, mas mortíferas. "Não era um membro da tripulação na expedição pelo Mar de Ross do Selma, não conhecia a equipa na altura, mas tinha ouvido falar deste desafio através de um amigo e resolvi participar numa expedição posterior do Selma, no início da primavera na Antártida, como realizado e cinematógrafo, para levar a sua história ao ecrã."

maciek jablonski sony alpha 7M3 marinheiro deitado com um olho no mapa

© Maciek Jabłoński | Sony α7 III | 1/40s, ISO 800

Gravar a bordo do Selma foi, como seria de esperar, uma experiência por vezes difícil, especialmente porque Maciek também fazia parte da tripulação, "com os mesmos deveres, incluindo trabalhar na cozinha, conduzir o barco, etc.". Para reunir as filmagens de arquivo e completar o filme com as suas próprias filmagens, foi vital ter as suas câmaras sempre à mão, para reagir a todas as oportunidades. "Dormia com a câmara, ficava de vigia com a câmara e ia à casa de banho com a câmara!", ri-se.

maciek jablonski sony alpha 7M3 montanhas congeladas na antártida ao anoitecer

© Maciek Jabłoński | Sony α7 III | 1/60s, ISO 800

Com limites rígidos de bagagem que os tripulantes podiam levar a bordo, foi crucial poder utilizar equipamento de filmagem compacto, leve e poderoso.

"Quase todo o filme foi gravado com equipamento Sony", explica Maciek. "Durante a expedição no Mar de Ross em 2015, gravei principalmente com a PXW-X70, que oferece um ótimo equilíbrio qualidade-mobilidade. Durante a viagem, as minhas estruturas de câmara A/B foram a Alpha 7 III e Alpha 7R III. Precisava de câmaras para vídeo e fotografia que oferecessem qualidade de cinema e a série Alpha 7 da Sony é o único kit full-frame que reúne estas características. Também utilizei a FS5 e esta foi a minha câmara A durante as gravações do Selma em terra. Adoro a FS5 pelo seu tamanho compacto, mas foram as Alpha 7 que estiveram no coração do projeto."

maciek jablonski sony alpha 7M3 ondas fustigam o navio durante uma tempestade

© Maciek Jabłoński | Sony α7 III | 1/6400s, ISO 800

Além das vantagens de um "sensor full-frame numa estrutura tão compacta", a filmagem de Maciek beneficiou significativamente da estabilização de imagem interna (IBIS) das câmaras Alpha, "já que não foi utlizado um suporte cardan externo durante as gravações. Podia gravar no formato S-Log para maior qualidade e definir a câmara para o modo 50p/100p, para poder alterar o FPS livremente na pós-produção. Estas câmaras também têm um excelente desempenho de bateria, uma construção sólida resistente a intempéries e permitem gravar em condições de muito pouca luz, praticamente sem perda de qualidade. Tudo isto foi crucial nesta viagem em águas desafiantes."

Obrigado a gravar a bordo e fora do Selma, assim como no topo do mastro, a flexibilidade das câmaras Alpha proporcionou a Maciek tudo o que precisava. "Agora sei que mesmo que tivesse levado uma câmara maior, não teria podido utilizá-la. Acreditem, quando estamos no fim do mundo com água gelada a chover no convés, não podemos prender a nossa atenção com a operação de uma câmara grande! A minha maior dificuldade em fotografar no mar foi gerir as minhas fraquezas, como o enjoo marítimo e forçar-me a trabalhar e a focar-me no filme. Por vezes, foi muito difícil."

maciek jablonski sony alpha 7M3 marinheiro segura no leme de navio

© Maciek Jabłoński | Sony α7 III + FE 16-35mm f/4 ZA OSS | 1/100s @ f/8.0, ISO 800

Das tempestades mais incríveis na Passagem de Drake e do combate da tripulação com ondas gigantes à beleza tranquila mas mortífera da Barreira de Gelo cintilante do Ross, Selma "foi definitivamente um filme realizado nas condições mais desafiantes", afirma Maciek, "e o meu primeiro encontro com a Antártida. Se o meu equipamento não me ajudasse a tornar este filme realidade, talvez não tivesse realizado esta expedição. Explorar a Antártida atualmente deveria ser muito mais fácil devido à navegação moderna e aos iates bem equipados, mas não é apenas uma questão de progresso tecnológico. O elo mais fraco e mais forte sempre foi e continua a ser o Homem. Como diz um dos elementos da tripulação no final do filme, as expedições pelo Mar de Ross provam que, quando queremos realmente uma coisa, podemos alcançá-la, independentemente de quem somos."

Produtos incluídos
ILCE-7M3
α7 III com sensor de imagem full-frame de 35 mm

ILCE-7M3

PXW-FS5
FS5

PXW-FS5

PXW-X70
PXW-X70

PXW-X70

SEL1635Z
Vario-Tessar® T* FE 16-35 mm F4 ZA OSS

SEL1635Z

Artigos relacionados


x